sábado, 9 de março de 2013

SOLIDARIEDADE INTELIGENTE E TRANSFORMADORA



ESTE TEXTO É PARTE INTEGRANTE DO MEU LIVRO: "EMPREENDEDORISMO SOCIAL CRISTÃO: TRANSFORMANDO A SOCIEDADE PELA PRÁTICA DO EVANGELHO DE CRISTO", AINDA A PUBLICAR.


Ser solidário não significa sair distribuindo pão aleatoriamente, matando a fome dos famintos da Igreja e do mundo. A solidariedade nada tem a ver com assistencialismo social ou paternalismo. Quando tratamos os problemas sociais apenas superficialmente, acabamos deixando escondidos os reais motivos que levam as pessoas a sofrer. Se toda semana dermos uma cesta básica a um irmão pobre da Igreja ou um prato de comida todos os dias ao faminto que bate à nossa porta, o que estamos fazendo além de perpetuar a sua pobreza e causar-lhes dependência de nós? Às vezes é isto que queremos: criar cidadãos dependentes da nossa caridade, como uma forma de manter o poder e a influência sobre eles de modo a manipulá-los. A Igreja parece se sentir “onipotente” quando pode contar com um grande número de pessoas que dependem socialmente dela. O assistencialismo social transforma-se em apenas um meio de propaganda denominacional.
             A solidariedade precisa ser libertadora, deixando de olhar para os sintomas, como a fome e o desemprego, e passando a atacar o vírus causador do mal social. O que causa a fome, ou quais os motivos de haver desemprego? Se a erva daninha que adoece e mata as plantações não for cortada pela raiz, em breve reaparecerá e em maior quantidade, continuando a causar os seus males. Os problemas devem ser tratados onde eles estiverem, e não de maneira periférica. É do centro para as bordas, conforme nos mostram Cacciari e Martini (2003, p. 11):

Não basta, certamente, uma solidariedade qualquer que não acabaria servindo para nada e para ninguém. Na realidade, sobretudo hoje, exige-se uma forte solidariedade capaz de reintegrar com plenos direitos na sociedade aqueles indivíduos que dela foram “excluídos” e que, na prática, acabamos abandonando à margem da vida, esquecendo-nos deles quase que totalmente, deixando-nos absorver exclusivamente pelo nosso bem-estar.

A economia solidária do Reino de Deus pode muito mais que alimentar o ser humano por alguns dias, ela pode dar-lhe condições de alimentar a si mesmo por toda a sua vida, todos os dias. Ela deve nos tirar da nossa inércia e do nosso comodismo, onde sentimos que não é da nossa conta os problemas dos irmãos e daqueles que estão oprimidos no mundo, os pobres e os necessitados, tão amados e defendidos por Deus na Bíblia. Mais adiante veremos mais detalhadamente como podemos praticar a economia solidária com inteligência e eficácia ao tratarmos de responsabilidade social.
            Dessa forma, a solidariedade não deve dar lugar à impulsividade. Toda impulsividade é infrutífera e serve apenas como um paliativo para os problemas. As questões sociais, tanto na nossa realidade eclesiástica como do mundo que nos cerca e no qual labutamos, precisam ser pensadas e debatidas antes de tomarmos qualquer posição no sentido de tratá-las. Esta compreensão inteligente da realidade é apenas o primeiro passo para a ação. Tudo aquilo que fica apenas no campo das ideias, dos sentimentos, acaba se transformando em discurso teológico, sociológico; em teorias e estatísticas. Somente a ação pensada e planejada estrategicamente pode contribuir para a transformação da realidade. O contrário disso é o mesmo que orar pelo perdido para que ele se converta sem jamais pregar-lhe a Palavra de Deus.
            A dimensão do alcance da solidariedade que busca transformar a realidade das pessoas e dar-lhes uma nova identidade de cidadãos plenos e socialmente atuantes é quase impossível de se apreender. O efeito multiplicador causado a partir de uma vida ou de toda uma comunidade impactada pelo amor solidário de Deus pode repercutir de maneira profunda no espaço e no tempo. No espaço porque estamos contribuindo para uma sociedade mais justa e igualitária, com pessoas plenamente restabelecidas e capazes de continuar construindo a sua própria realidade a partir das suas habilidades e talentos dados por Deus. Ações sociais bem planejadas e executadas sob a orientação de Deus, principalmente se envolvem políticas públicas, ajudarão na diminuição das taxas de mortalidade infantil, desemprego, consumo de drogas, violência doméstica e urbana, corrupção, conformismo, etc.; elas tratarão de questões ligadas à educação, saúde pública, saneamento básico e segurança.
            Nesta transformação espacial, o individuo que é resgatado das drogas e reinserido na sociedade e no mercado de trabalho, desencadeará mudanças na sua própria realidade, na da sua família e na da sua comunidade. Da mesma forma, o pai de família que antes estava desempregado agora pode capacitar-se através de cursos profissionalizantes, podendo exercer uma profissão, deixando de ser pesado para a sua família, para a Igreja e para a sociedade. Como uma pedra que é atirada em um grande lago, formando ondas que transformam a realidade a partir do centro até chegar às margens, assim é a vida de alguém que foi alcançado pela solidariedade do Reino de Deus.
            No tempo porque aquilo que plantamos hoje, colheremos no futuro, e os frutos do nosso investimento poderemos colher durante muito tempo, indefinidamente. Também, porque o futuro será transformado pelo presente. Um exemplo disto é a consciência ecológica. Todos sabemos que o ser humano está destruindo o planeta que Deus fez para que ele cuidasse. Daqui há alguns anos, muitos não poderão usufruir de alguns recursos que temos hoje. Cuidar da natureza significa dar um futuro melhor ao planeta e deixar um legado para que as próximas gerações possam aproveitar. Na nossa geração existem animais que daqui a poucos anos não poderão mais ser vistos senão nas revistas e livros.
            Investir no presente é construir o futuro. No mundo, milhares de pessoas morrem de fome e de doenças por ano, acima de tudo crianças. São vidas ceifadas, privadas do futuro. A nossa inconsciência e dureza de coração sempre coloca a culpa em Deus: a criança morreu porque Deus quis assim. Na verdade, ela morreu porque nós quisemos assim, pela nossa falta de amor, de compaixão, de misericórdia, de solidariedade; resumindo: nossa falta de Deus. Repensar esta questão significa permitir que os pobres e os oprimidos tenham um futuro e possam construí-lo diariamente, de maneira digna e humana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, jamais comente anonimamente. Escrevi publicamente e sem medo. Faça o mesmo ao comentar. Grato.